<$BlogRSDUrl$>

sábado, outubro 11, 2003

inm 

Faz de conta que foi hoje o primeiro dia de chuva, depois dos dias quentes. Foi o primeiro dia em que senti gotas de água a pousar na língua, enquanto fechava a porta de casa. O alcatrão escorregava e o céu estava branco. Será que se pode beber a água da chuva? Abrir a boca, olhar para cima, deitar a língua de fora... Quem passa na rua e vê, acha estranho. Mas, se eu passar a seguir a mão pela cara, vou ter de sorrir, enquanto sinto a água na minha mão. Como dizia um amigo, que reencontrei numa festa, como "grande frase para dizer a amigos que não se encontram há dez anos": "hoje, sinto-me um deus pequenino". MR

Não foi cunha, não 

Ninguém me pediu nada, nem tentou pôr uma cunha, seguindo as modas nacionais - modas de há muitos anos a esta parte. Simplesmente aconselho o blog Montra de Prémios (montradepremios.blogspot.com).
HR

sexta-feira, outubro 10, 2003

Greguíces Quixáticas 

Vi-me Grego para estacionar o Rocinante em Lisboa estes dias, mais concretamente um autêntico Aristófanes, porque foi o único a fazer comédia de toda aquela charada Greguianina (entre a depressão colectiva da guerra do Peloponeso e a morte do Mítico governante Péricles), um pouco como o trânsito, assim para o parolo, de Lisboa. Aqui no Porto a história é outra, ao volante sinto-me sempre um verdadeiro Píndaro, dado o estado pindérico dos alcatroados locais. Já nos Açores, em S. Miguel somos todos Sénecas sobre rodas, verdadeiros Estóicos crentes somente nos destinos inerentes às fúrias e humores dos deuses vulcões e das ninfas dos ventos, quais Neros duvidosos e algo buzinantes. BR

Hugh Hefner na Mansão Playboy 

A festa foi ontem e hoje passam-se 4 meses desde o lançamento oficial do DC. E agora solto o Rangel que há em mim: 4 meses com mais de 52000 visitas, uma equipa de 12 pessoas que ainda não se chatearam umas com as outras, e uma surpresa - ainda - dentro de dias.
Não farei links porque seria fastidioso mas agradeço a todos os bloggers que passaram pela Madragoa e também aos que, não podendo, responderam ao convite ou promoveram a festa. Um abraço também para os amigos e conhecidos (sem blog!) que passaram por lá e têm o bizarro prazer diário de ler o que a malta escreve. E, finalmente, um último obrigado aos leitores que fizeram o favor de declinar o convite com a justificação romântica de que preferem ler-nos a conhecer-nos a cara. Sábia decisão. E, já agora, também aos leitores que se desculparam por não ir à festa com argumentos como: "preferia apagar um charuto no rabo", "obrigadinho mas há saldos no Corte Inglès" ou "uma festa de um blog com 11 gajos e apenas uma miúda só pode ser coisa de rotos".

E agora, o Carlos Castro dos blogs: a festa foi gira. Pacheco Pereira estava himalaias de bem no seu blazer coçado nos ombros e o painel com posts e imagens de vários blogs era discreto mas eficaz. Os 3 DJ's foram excelentes, do revivalismo de uns 80's independentes, passando pelo hip-hop, acabando com uma toada "RFM" que agradou aos mais mainstream. Só foi pena os shots, que sabiam quase todos a ressaca. Tinha a boca tão seca quando acordei que, por momentos, até julguei ser um dragão.

De resto, ninguém casou mas aconteceram muitos princípios de belas amizades. Ao contrário das expectativas, não houve porrada, apesar da tensão entre o Pirilampo Trágico e os Guarda-Chuvas sem Pano.

De casadoiros, faltou apenas o Hugo Rosa, nosso exilado no Faial, e o Alex Borges, a contas com o frenesi profissional e uma relação escaldante com Catarina Furtado. Enquanto esperava a minha vez de pôr música fui assumindo o papel de Hugh Hefner na Playboy Mansion, apresentando os convivas um aos outros. Tarefa abruptamente interrompida quando um blogger desmaiou devido ao meu bafo a álcool.

Falei acima em 3 DJ's. 3 e não 4. Na verdade, por volta das 2h30 da matina, alguém teve o bom senso de chamar a polícia no preciso momento em que me preparava para assumir o posto de DJ. O sub-chefe Saraiva, mirando o saco plástico com 3 dezenas de CD's, comentou mesmo:

- Meu caro amigo... misturar Jamiroquai com Everlast não lembra ao diabo. A sua sorte é ter consigo este remix dos Zero7, que eu e a minha Matilda gostamos muito lá em casa. Vá lá... por hoje passa. Arrume a trouxa e vá á sua vidinha.

Tendo as forças da ordem privado - e bem - os resistentes da festa aos meus delírios musicais, as peripécias sucederam-se: como o bar foi obrigado a fechar, prometi acompanhar os últimos moicanos ao LUX. Mas a nossa CMC ficou sem bateria no carro e lá tivemos de esperar mais de uma hora pelo reboque do ACP.
Chegado o cavalheiro salvador, oleado e barbudo como convém, com sotaque de Viseu, gerou-se um diálogo entre este e Clara que, como decerto verão, daria um excelente início de filme pornográfico:

Clara - Ai que bom! O senhor tem bateria! Quanto é que me vai custar?
Senhor do ACP (mirando-a longamente de alto a baixo)- Ó minha senhora... Isso agora temos de ver...

Enfim, achei que estava a mais e fui para casa. Não sem um último episódio com a polícia. Em plena Rotunda uma operação STOP. Ora bem, eu nunca tinha soprado o balão mas desconfiei logo que a minha contabilidade de 3 imperiais, 4 whiskies e um número indeterminado de shots seria suficiente para ficar sem carta pelo menos até à idade da reforma.
Enquanto procedia ao sopro fatal, naquela pose ridícula de Louis Armstrong de Arroios, com as bochechas tipo bola de bilhar, sucede que o agente, estranhamente educado e amável, resolve perguntar:

- Então deseja casar?...

E troca um olhar cúmplice com o colega do lado. Quando eu já me estava a imaginar na esquadra da Pontinha, prestes a ser violado por um gang de bófias larilas, lembro-me então de que tinha a t-shirt DC. Sim, meus amigos, o merchandising já começou! Há t-shirts "Desejo Casar" e eu vestia uma.
Passado tal susto, a ideia de nunca mais conduzir até parecia agradável quando o senhor guarda diz, para meu espanto:

- Tem 0,47. Já não pode beber mais hoje, está bem?

Saio dali a sentir-me um super-herói, trocando apertos de mão com os polícias todos. Quanto ao futuro, mais festas virão, sem dúvida. E acabo sem punchline porque estou atrasado para o meu jogo de bola. Sei que ando desleixado nos últimos tempos, mas é que o trabalho tem sido muito. Espero voltar mais regularmente a este convívio. Enfim, citando Fernando Pessoa, quando - ao sair da Brasileira - pisou um cocó de pombo: "Merda!" LFB

Breve comentário 

Durão Barroso podia ter aproveitado para instituir não só uma Secretaria de Estado das Florestas, mas também dois novos ministérios, inspirado em Orwell: o Ministério da Verdade e o Ministério da Fartura. O primeiro, em substituição do Ministério da Justiça, o segundo, para fazer face aos cortes previstos (na ordem dos 200 milhões de euros) para a Educação e a Saúde.

HR

Doação ao DESEJO CASAR 

Quando a esmola é grande, o pobre desconfia, que é o mesmo do que dizer: desconfiem de uma livraria católica que, durante uma semana, vende livros com 40% de desconto. Mas não deixem de entrar. Foi o que fiz, entrei na livraria, vasculhei, levantei livros e pó e encontrei logo três: "Platero e eu", de Juan Ramón Jiménez; "As vinhas da ira", de John Steinbeck; "Café 25 de Abril", de Álvaro Guerra. Comprei estes três livros por dezassete euros (17€) e ainda tive direito a um brinde surpresa. Um livro embrulhado, uma espécie de oferta aos desconfiados que fazem compras superiores a 15 euros.
Repito: quando a esmola é grande, o pobre desconfia. Abri o livro já em casa. "Grande Mistério - Temas de reflexão para noivos e casais" (edição de 1986), de Barros de Oliveira. Não me importo de o disponibilizar aos restantes membros do DESEJO CASAR, para que façam dele um verdadeiro livro de cabeçeira.

HR

quinta-feira, outubro 09, 2003

O verdadeiro blogger 

Além da notícia em última mão de que O Meu Pipi vai estar presente, anonimamente, na festa do Desejo Casar esta noite, hoje vamos ainda descobrir uma coisa muito importante: qual dos membros do DC é um verdadeiro blogger.

Qual de nós é realmente viciado nisto? Qual de nós não pode viver sem o blog?

Basta ver quem publica um post enquanto todos os outros estão na festa.

Veremos, finalmente, em qual de nós é mais ardente o Desejo de Casar! TR

Hoje a partir das 10h30... 

Já o Nuno falou disto. Hoje, na festa, vou ser DJ. DJ a sério, numa mesa com pitchs, singles, masters e escutas. E ontem, no ensaio geral, aprendi a mexer em tudo. Só não devo tocar nos pitchs, singles e masters. Bom, também fui autorizado a carregar no play.
Só espero que não se realize o pesadelo dos últimos dias: inadvertidamente, depois de uma sequência poderosa a terminar em Happy Mondays, meto por engano uma ária da Aida, e o Pacheco Pereira - que arrasava na pista ao recordar o vibe de Manchester - atira-me indignado com um copo de pisang ambon às fuças.

A partir das 10h, começamos a criar o ambiente com um sound revivalista. Apareçam todos. Será um prazer descobrir finalmente quem é o blogger da COTOVIA MARRECA e os animadores do FOITÃOBOMPRATICOMOFOIPRAMIM?. Mais pormenores no post abaixo. LFB

A FESTA É HOJE! 

Todos os amigos do blog DESEJO CASAR ou apenas adeptos da instituição do Matrimónio estão, por este meio, convocados para a:

GRANDE FESTA "DESEJO CASAR"
Dia 9 de Outubro/5ª feira - no Madres de Goa, Lisboa (primeira à direita depois da Casa México, quem vem da Assembleia da República, junto do ISEG)

Depois do destaque que os blogs mereceram no "Público", "SIC-Notícias", "RTP", "NTV", "Antena 1", "Visão", "Focus", "DNa", "Boletim Paroquiano de Salvaterra", "Borda DÁgua - edição adultos", magazine "Le Nouvel Bloggeur" e no fanzine da "Liga Sado-Maso Portuguesa" chega, finalmente

A primeira festa de um weblog português!

Venha dançar, beber e conviver com os bloggers portugueses, os homens e mulheres, sobre a face da Terra, que mais vezes ouviram a frase:

"Ó filho, não foi pra isto que te paguei os estudos!"

A festa DESEJO CASAR inclui SHOTS com nomes de blogs nacionais, imagens VJ com blogs portugueses, um padre para casar pessoas no local e os DJs:

DJ Bórgia (LFB, Desejo Casar)
DJ Casado (NCS, Desejo Casar)
e os convidados:
DJ PASCP (Pedro Adão e Silva, País Relativo)
DJ Menino (João "Menino" que, valha-o Deus, não tem um blog!)

VENHA DIVERTIR-SE COM OS TIPOS QUE IRRITARAM PEDRO ROLO DUARTE, MEDEIROS FERREIRA, LÚCIA GUIMARÃES, EDUARDO PRADO COELHO, OS PATRÕES E A PRÓPRIA FAMÍLIA. DISCUTA O TAMANHO DO SEU SITE METER COM O BLOGGER DO LADO E TENTE O ENGATE A UMA MULHER DE CARNE E OSSO COM O JÁ CLÁSSICO:

"FAZES-ME UM BLOG?"

Ameaça de morte 

Recebi no meu mail pessoal uma mensagem que incluía texto e fotografia, a que deram o nome (Assunto) de "Lenda Urbana" - penso que se queriam referir a "Mito Urbano". A fotografia era de um casal sorridente, num bosque, e mostrava ainda, no canto superior direito, o que parecia ser um fantasma - um vulto branco e desfocado, para variar. O texto alertava-me quanto ao facto de eu ter de enviar a mesma mensagem a não sei quantas pessoas, no prazo de dez dias, de modo a evitar que algo de aterrador me aconteça. Ora, eu pergunto: a partir de que data devo contar os dez dias? A partir da data em que recebi o e-mail (dia 3 de Outubro); a partir da data em que li o e-mail (dia 9 de Outubro) ou a partir da data de envio da mensagem a outras pessoas (um dia destes, mais ano, menos ano)? Se for a partir do dia 3, o prazo acaba a 14 de Outubro. Já se for a partir do dia 9, o prazo acaba a 20 de Outubro. Aguardo. Serenamente.

HR

Sim, com aspas 

Estava ontem a ver o directo da assembleia, com o Paulo Pedroso a cumprimentar os amigos, quando no meio do grupo insurge-se a “jornalista” da SIC Anabela Neves, esbaforida, a reclamar que toda a cena era um “pouco indigna”. Sobre o episídio vale a pena ler o post do Statler, dos Marretas. Não fui o único a reparar no trabalho de sapador por parte da “jornalista”. LCA

pois... 

esta cidade só tem três ruas: a da tua casa, a da minha casa e aquela que percorremos para ir ter com outras pessoas.
MR

Vida Prosaica 

Hoje, ao final da tarde, encravei no trânsito. Vinha a encravar lentamente, há alguns quilómetros, até que, junto à ponte da Arrábida, percebi que podia desligar o motor. Ali estive meia-hora, sem nada para fazer. Subi o volume do rádio, distendi as pernas, pus-me a observar.

O parceiro de trás era um jipe, um grandessíssimo Cherokee, com uma mulher lá dentro. Cumpria as expectativas. Quem a visse, esquecia-se imediatamente do imbróglio. Não por ser bela, ou extremamente bela, mas porque respirava para lá de tudo aquilo. Óculos de sol, loira, o chavão da praxe. Um orgulho desmedido pelo seu Cherokee, um contentamento de Verão perpétuo, uma frescura de health club a toda a prova. Perguntei-me se serão os anúncios de publicidade que imitam a vida ou se será o contrário. É que eu já a tinha visto: não sei se no spot do jipe, se do ginásio ou se do crédito à habitação. Já a tinha visto, algures, com a mesma felicidade.

Incapaz de ir às compras naquele momento, passei ao zapping. Mas é o costume. As televisões alinham os seus túneis de publicidade e os intervalos, de modo que os espectadores, durante alguns minutos, não podem escapar. No carro à frente era um anúncio aos telemóveis. Percebi que era um homem, pelo fato, que se desmultiplicava por dois aparelhos: um portátil e um mãos livres. Gesticulava, mexia a cabeça, falava muito depressa e muito devagar. Resolvia assuntos, berrava aos filhos, marcava almoços com a namorada. Um rame-rame incrível, uma optimização de tempo extrordinária.

Novo zapping, na esperança de qualquer programa. Sai-me uma novela murcha, ou o declínio da nouvelle vague. Um casal em silêncio, cada um para seu lado, a inquietação nas duas faces. O trânsito como metáfora. Ali se jogava o destino do homem e da mulher: o cansaço, a renúncia, a quimera distante já desbotada. Tantas perguntas no ar... Irão resistir, fazer de conta, acomodar-se uma vez mais? Ou irão lançar-se na tempestade, procurar a derradeira vida, a derradeira estrada, a última pétala da flor azul?

Ficará a dúvida, felizmente compensada pelo andar do tráfego. Mas havia ainda um quarto canal, ao meu lado esquerdo, que não pude observar. Uma carrinha branca, repleta de caixas, e um condutor atento. Demasiado atento. Percebi imediatamente, ao cruzar o olhar, que me utilizara como o seu programa. E não tinha ar de ter feito grandes zappings. Não, fora eu o seu canal desde o início. No momento de arrancarmos, em total simetria, compreendi exactamente o seu olhar, um pouco soturno, onde se lia: «Esteve aqui a olhar para as pessoas, a analisá-las, a tomar notinhas, e agora chega a casa e vai ‘pró blog. Que merdoso...». RIS

P.S. Dois blogs recentes a pedir visita: este, do editor de cultura de uma das mais ilustres instituições do jornalismo regional: «O Primeiro de Janeiro». Lugar de ensaios e devaneios (sem limite de caracteres). Outro, a ser acompanhado com bastante atenção, é este. Uma saudação final, também, ao memorável blog que foi a Formiga - um dos exemplos máximos do quanto se perde se algum dia isto for ao ar. Finalmente, um abraço de reboas-vindas ao nosso Bernardo, que com os seus textos mais recentes nos aproxima da sua poética e do seu trabalho.

quarta-feira, outubro 08, 2003

O Eterno Retorno 

Mito da Utilidade na Arquitectura – Capela da Luz Eterna

1. Entre fluxos de electricidade, rajadas de pixéis nos ecrãs das televisões e sob os jactos dos aviões que inventam os céus, habitamos. Assimetrias de Certezas e Incertezas entre o cérebro e o coração. O Corpo e o seu duplo, também, o ovo terrestre, em constante mutação. Fluxos. Transmutações. As células do corpo e os átomos do universo numa sinfonia do acaso e do predestino.
2. Lembro-me do mito de Theseu e seu barco, em constantes arranjos e reparações. Ao fim de algum tempo, cíclico, é inteiramente renovado nos materiais, apesar de ser sempre o mesmo, o barco de Theseu, é ao longo do tempo paradoxalmente um outro, em sucessões.
3. O corpo Humano em cinco anos renova completamente todas as células, da estrutura dos ossos, à codificação do ADN, órgãos internos, pele (nas suas cinco camadas), redes sanguíneas, nervosas, tudo novo. Paradoxo. Permanece a memória, as virtudes, os enganos e predisposições, a cara, um nome. Algum mistério.
4. Entre os mitos clássicos gregos e romanos há uma história que ressalta como um dos mais extraordinários poemas/conto da humanidade, as desconcertantes histórias nas Metamorphoses de Ovídio. Aqui encontrámos um encadeante relato caleidoscópico de histórias, mitos e lendas dos humanos e deuses entrelaçados nos destinos arbitrários do imparável fluxo e refluxo do universo. Distanciando-se de moralidades, comentários ou opiniões, Ovidio mostra-nos o poder das irresistíveis forças transmutantes que comandam as vontades e destinos da espécie, sendo o brinde a brilhante alusão das coisas que se transformam em homens, homens em deuses e animais do bem e do mal.
5. Tudo isto, inconscientemente, pesou na feitura do projecto da Capela da luz Eterna, capela funerária para a Ponta Garça, na Vila Franca do Campo, da mesma forma que pesa, inconscientemente, no saborear de um café todas as manhãs.
6. A Arquitectura encerra em si, como lei interna da profissão (na ordem do indizível), o dever da utilidade material e espiritual. Este dever encontra-se hoje penosa e escandalosamente renegado. Vemos todos os dias exercícios de futilidades e formalismos inúteis, feitos oblíquamente por todas as classes e níveis de (irres)responsáveis, culminando com apoteose na classe autista do chamado Star System, uma vintena de arquitectos globalmente estrelas, globalmente estetas e globalmente distraídos.
Ora este desvio de sentidos encontra-se nos dois níveis correlativos, a utilidade do meio físico construído e a mais valia espiritual da metafísica, ou ambiente do espaço.
De uma sala numa casa de pescadores ao nártex ou sala de uma capela requerem-se estas leis. A utilidade da função, explícita em materiais e circulações entre zonas e a qualidade espiritual, no sossego, na temperatura, no silêncio proposto e na circulação do ar e do olhar.
Depois as formas e os pormenores servem e são usadas pela mestria ou magia de cada um, espécie de impressão digital do sonho e da vontade do eterno. Irascível. Um desígnio talvez.
7. Entre o sol, o céu e a terra, a vertigem do incomensurável transformar. Matemática do milagre e do mistério, como ao nascer cada criança. BR

Lançamento livro INFLUX - Arquitectura Recente em Portugal 

Amanhã, antes da magna festa do DC, acontecerá na FNAC do Chiado pelas 17h o lançamento do catálogo/livro que reúne os 15 escritórios de arquitectura que, ao longo do ano passado no Silo Cultural do NorteShopping no Porto, compuseram a exposição INFLUX, organizados em 5 módulos temáticos com 3 escritórios em cada um.
Teve organização da Fundação de Serralves e Fundação Belmiro de Azevedo e como comissários os arquitectos Pedro Gadanho e Luis Tavares Pereira. O arquitecto Diogo Seixas Lopes fará um comentário e apresentação dos escritórios visados, entre os quais se encontra yours truly. BR

2 saudações, 1 insulto e 1 convite 

Saudação 1: Fico feliz pelo regresso da Rita do Parapeito (também não sei fazer links). Agora que nos tínhamos reencontrado, seria uma pena não nos podermos ler todos os dias. Especial saudação pela história de amor redentor. Como ambos sabemos, a única função do amor é salvar-nos de nós próprios.

Saudação 2: Recebi em casa a revista 365, com uma nota simpática do Nuno Casismiro, o editor. Não, eu não sou VIP! É só que os senhores da 365, porventura distraídos, resolveram publicar dois poemas meus. Mas o melhor vem lá para a fente, quando encontramos a prosa do Joel Neto. Notável.

Insulto: O filme "Quaresma" não é só chato e pretensioso. É, sobretudo, muito mal feito. É um manual de instruções sobre como despediçar um elenco de luxo e uma protagonista soberba como Beatriz Batarda. Além de que é uma fotocópia reles e amanteigada do "Ondas de Paixão". Cada país tem o Von Triers que merece! Voltarei a isto em breve, porque ando a alimentar uma raiva por este filme desde o domingo passado.

Convite: Estão todos convidados para a festa do Desejo Casar no Madres de Goa, perto de S.Bento, na próxima Quinta-feira às 23h. Vai ser de arromba. O prato principal é o apedrejamento público de José Álvaro de Morais, o realizador de "Quaresma". Depois, haverá anúncios de casamentos para breve. TR

terça-feira, outubro 07, 2003

motivos 

A leitora consultora

- Vais à festa do DESEJO CASAR, na quinta?
- Não sei ainda... Tenho de acabar um relatório sexta- feira de manhã...
- Tens de ir!! Vais encontrar clientes para a empresa e vais vender-lhes dez estudos de previsão da evolução do mercado de caracóis de estufa ao sexto shot!

A leitora estudante

- Vais à festa do DESEJO CASAR, na quinta?
- Não sei... Tenho uma aula logo às oito, na sexta.
- Não faz mal, porque o teu professor vai lá estar. É só uma questão de te apetecer ir para a faculdade de metro ou no carro dele...

A leitora consagrada

- Vais à festa do DESEJO CASAR, na quinta?
- Não sei... Estou num período de sacrifício mais intenso, devia abster-me desses convívios ímpios. Depois, o meu grupo de jovens tem reunião na quinta...
- Leva-os também. Quanto mais melhor... Diz-lhes que é uma festa para confirmar vocações, aprovada pela pastoral... Afinal aquilo chama-se "desejo casar", não é?

A leitora jornalista

- Vais à festa do DESEJO CASAR, na quinta?
- Não sei... O Martins da Cruz vai?
- Acho que sim. Ele disse que ia só deixar a filha ao aeroporto, mas que ainda passava por lá.

A leitora rato-de-biblioteca

- Vais à festa do DESEJO CASAR, na quinta?
- Não sei... Depois como é que acordo de manhã? Pedi para me guardarem uma coisa nos Reservados da Biblioteca Nacional para sexta...
- Não faz mal. Vais ver que na sexta de manhã já só queres escrever blogs e não teses... E depois o teu orientador e dois terços do teu júri vão lá estar... Ora faz lá as contas... Olha, e deixa em casa essa camisola de gola alta, ok?
MR

Não há regressos 

Falas-me em como gostas do regresso. Do regresso à praia da tua infância, às ruas do Bairro Alto, aos lugares onde foste feliz.
Olho-te. Terás o privilégio dessa inocência?
Não há verdadeiros regressos, digo-te. Não há lugares virgens. Os lugares estão há muito carregados de ganhos e perdas, presenças e ausências. Ora cheios, ora desocupados para se poderem de novo encher.
Há, sim! prometes. Falas-me do familiar, do refúgio que escavas no familiar.
Não vês como até a estranheza se insinua no familiar? Pergunto-te. Como o familiar passa tão depressa a estranho, como esta pessoa que te era tão próxima se evaporou?
Explico-te o meu último estranhamento. Estou à noite no Largo Camões que há força de tanto ver, queria ter convertido em familiar mas, de súbito, sobrepõe-se outra imagem, anterior à acção do homem, uma imagem mais real, a da lua a iluminar um lugar ermo da floresta, o estranho pressentimento de que pertenço a uma raça que se empenhou em transformar a selva num lugar habitado e que agora expulsou daqui todos os outros bichos e que agora reina aqui feito um parasita, no artificial que, por isso, nunca será familiar porque o que seria, de facto, familiar nem a selva seria.
Quer vejas ou não vejas, quer estranhes ou não estranhes, tudo muda à tua volta. O imperceptível é a mudança, não há abrigos que a iludam. O tempo infiltra-se subtilmente, crescem as crianças, a rede fina na pele dos pais e dos amigos. O tempo infiltra-se nos espaços a que voltas. Na cidade que se expande, morre e renasce. Até na tua memória tropeças e já confundes o que realmente viveste com o que sonhaste viver. O tempo em que as coisas eram eternas por mais que lá voltes, passou. Passou, o tempo em que a tua memória era virgem, feita de um infinito maravilhamento. Agora, o tempo é feito de fins. Anuncia o seu fim e tu até o pressentes.
Dizes: sei que te vou perder. Sim digo, todos sabemos que nos vamos perder uns aos outros. Não é terrível. A angústia do fim, torna a vida, um pequeno gesto, grandioso. Alimenta a arte, faz-nos ter filhos, faz-nos mudar, continuar. O essencial é não atentar contra a própria vida, continuar enquanto ainda cá andamos.
Dizes-me que voltas a ter cinco anos em cada regresso. Como? Se tu não és mais aquele que tinha cinco anos? O que tens de semelhante com tal criatura? Talvez apenas a imagem que poucos guardarão do que eras nos teus cinco anos. Não se pode recuar para lá dessa imagem.
Chegou o Outono, dizes, o tempo em que tu nasceste, o tempo que te é mais ancestralmente familiar.
Chegou o Outono, repito-te. A mudança das estações traz-me o travo de memórias apagadas, dias que se interligam em malha de comboio, que me prendem a algo que já se desfez. Não é má a presença do passado. Mas querer regressar? Regressar onde? Não há sítio para regressar. Somos diferentes já, os que lá estiveram connosco são diferentes. Só há partidas, inexoráveis partidas. Nenhum refúgio para além da concha em que te abrigas, nenhum regresso para além do regresso a ti.
Abanas a cabeça. Vais sempre resistir ao fim. CMC

Vida de DJ 

Vem aí. Está a chegar o momento pelo qual ansiava há milénios. Pela primeira vez, vou ser um dos DJ's oficiais de uma festa. Não vou ser apenas o gajo a quem, pronto, vá lá, deixam meter umas músicas ("Mas não te estiques, puto!"). Vou ser um dos nomes do cartaz. Gostava que a festa do Desejo Casar se transformasse, de um momento para o outro, numa festa de província - para poder, ao menos uma vez na vida, ser chamado de "O Rei da Noite". (Imagino já o néon roxo, montado à frente da mesa de som, chamando a atenção para o posto). É certo que DJ também sofre: como qualquer monarca social, passa de bestial a besta num abrir e fechar de luzes. Uma música mal escolhida pode significar o fim de uma carreira de anos. Quantos DJ's de discotecas tipo "Toca a Bombar" não foram despedidos por terem, sem querer, passado o "Follow the Leader" uma horinha mais cedo do que é costume? Ninguém lhes perdoa. Para além disso, quando, numa discoteca, a música vem abaixo só há um culpado. Pode ser da aparelhagem (que está a aquecer muito), pode ser que as colunas tenham explodido, pode ser que o prédio tenha caído, que o culpado, sobre o qual recai a ira de dezenas, de centenas de olhares, é sempre o rapaz dos headphones que está lá em cima. Há uma questão sobre a vida dos DJ's que me inquieta: o que é faz um DJ durante um tema de 5 minutos, quando o alinhamento musical já está feito? O que é que vai naquela cabeça? Não o sabemos. Mas, pelo menos, já topámos o truque (que vou seguir) para se fingir ocupado: começar a mexer, com um ar concentrado, em botões da mesa de mistura cuja função ele próprio desconhece. Neste momento em que me preparo para subir à cabina real, só há mesmo uma coisa que me preocupa: o que é que se faz a alguém que, de copo cerveja a derramar na mão, se aproxima pela 57ª vez de nós para pedir, sei lá, o "Summer of 69"? NCS

Agora só falta livrar-me dos dois gajos do grupo! 

Ontem tive o primeiro dia de uma nova experiência, há muito desejada, o trabalho como encenador de um grupo de teatro. O que significa que, em traços largos, eu, que nunca consegui que uma mulher - uma sequer - fizesse o que lhe pedia, tenho agora nove (9!) às minhas ordens, obedientes e talentosas. Ah!, a magia do teatro...LFB

A festa DC é na quinta-feira, dia 9! 

Todos os amigos do blog DESEJO CASAR ou apenas adeptos da instituição do Matrimónio estão, por este meio, convocados para a:

GRANDE FESTA "DESEJO CASAR"
Dia 9 de Outubro/5ª feira - no Madres de Goa, Lisboa (primeira à direita depois da Casa México, quem vem da Assembleia da República, junto do ISEG)

Depois do destaque que os blogs mereceram no "Público", "SIC-Notícias", "RTP", "NTV", "Antena 1", "Visão", "Focus", "DNa", "Boletim Paroquiano de Salvaterra", "Borda DÁgua - edição adultos", magazine "Le Nouvel Bloggeur" e no fanzine da "Liga Sado-Maso Portuguesa" chega, finalmente

A primeira festa de um weblog português!

Venha dançar, beber e conviver com os bloggers portugueses, os homens e mulheres, sobre a face da Terra, que mais vezes ouviram a frase:

"Ó filho, não foi pra isto que te paguei os estudos!"

A festa DESEJO CASAR inclui SHOTS com nomes de blogs nacionais, imagens VJ com blogs portugueses, um padre para casar pessoas no local e os DJs:

DJ Bórgia (LFB, Desejo Casar)
DJ Casado (NCS, Desejo Casar)
e os convidados:
DJ PASCP (Pedro Adão e Silva, País Relativo)
DJ Menino (João "Menino" que, valha-o Deus, não tem um blog!)

VENHA DIVERTIR-SE COM OS TIPOS QUE IRRITARAM PEDRO ROLO DUARTE, MEDEIROS FERREIRA, LÚCIA GUIMARÃES, EDUARDO PRADO COELHO, OS PATRÕES E A PRÓPRIA FAMÍLIA. DISCUTA O TAMANHO DO SEU SITE METER COM O BLOGGER DO LADO E TENTE O ENGATE A UMA MULHER DE CARNE E OSSO COM O JÁ CLÁSSICO:

"FAZES-ME UM BLOG?"

segunda-feira, outubro 06, 2003

Táxi driver 

A história conta-se de uma penada. Sexta-feira passada meto-me num táxi e indico ao condutor a morada do restaurante onde me esperavam para jantar. A viagem é curta, não tenho pressa pois não estou atrasado e o condutor podia ser perfeitamente o sobrinho do Saddam (tez morena, cabelo crespo muito curto, bigode em formato "dedo de gorila" por cima da beiça).
A viagem começa bem: pisca para retomar a marcha, distância de segurança em relação ao carro da frente e ausência de comentários reacionários. Depois, bom, depois foi um Ai Jesus! Até ao Saldanha. Com a suavidade de uma bigorna, o homem mete o pé no acelerador, faz razias aos outros carros, pressiona o carro da frente e vilipendia todos os os outros condutores que, por mera conjuntura cósmica, são todos uns filhos da puta.
Chegados ao Saldanha, na curva que contorna as Galerias Monumental, o animal vem de tal maneira lançado que nem se apercebe da passadeira. Uma mulher que atravessa com o sinal aberto para peões levanta os braços, larga os sacos no chão e dá um salto olímpico para trás, desviando-se à última hora do perigo. De cabeça perdida, insurjo-me contra a alarvidade daquela condução. Digo exaltado que o homem é pouco menos que uma mula, que veio o caminho todo em excesso de velocidade e para encostar imediatamente que eu quero sair. O taxista embucha e fica calado. Muito calado. Eu pago e, no momento em que ele me dá o troco, diz: "Sabe, fiquei magoado consigo. Em onze anos de serviço nunca me disseram que andava em excesso de velocidade. Agora fiquei magoado consigo."
Como o leitor deve calcular, ainda estamos amuados. LCA

A festa DC é na quinta-feira, dia 9! 

Todos os amigos do blog DESEJO CASAR ou apenas adeptos da instituição do Matrimónio estão, por este meio, convocados para a:

GRANDE FESTA "DESEJO CASAR"
Dia 9 de Outubro/5ª feira - no Madres de Goa, Lisboa (primeira à direita depois da Casa México, quem vem da Assembleia da República, junto do ISEG)

Depois do destaque que os blogs mereceram no "Público", "SIC-Notícias", "RTP", "NTV", "Antena 1", "Visão", "Focus", "DNa", "Boletim Paroquiano de Salvaterra", "Borda DÁgua - edição adultos", magazine "Le Nouvel Bloggeur" e no fanzine da "Liga Sado-Maso Portuguesa" chega, finalmente

A primeira festa de um weblog português!

Venha dançar, beber e conviver com os bloggers portugueses, os homens e mulheres, sobre a face da Terra, que mais vezes ouviram a frase:

"Ó filho, não foi pra isto que te paguei os estudos!"

A festa DESEJO CASAR inclui SHOTS com nomes de blogs nacionais, imagens VJ com blogs portugueses, um padre para casar pessoas no local e os DJs:

DJ Bórgia (LFB, Desejo Casar)
DJ Casado (NCS, Desejo Casar)
e os convidados:
DJ PASCP (Pedro Adão e Silva, País Relativo)
DJ Menino (João "Menino" que, valha-o Deus, não tem um blog!)

VENHA DIVERTIR-SE COM OS TIPOS QUE IRRITARAM PEDRO ROLO DUARTE, MEDEIROS FERREIRA, LÚCIA GUIMARÃES, EDUARDO PRADO COELHO, OS PATRÕES E A PRÓPRIA FAMÍLIA. DISCUTA O TAMANHO DO SEU SITE METER COM O BLOGGER DO LADO E TENTE O ENGATE A UMA MULHER DE CARNE E OSSO COM O JÁ CLÁSSICO:

"FAZES-ME UM BLOG?"

domingo, outubro 05, 2003

Let there be rock 

Tenho reparado que aos fins-de-semana a blogosfera decide espreguiçar-se, acordar tarde e descansar do corrupio habitual. É a altura em que os blogofónicos, invadidos por um sentimento de culpa, se dedicam à família, passeiam de mão dada com os futuros cônjuges, decoram novas citações (Dicionário de citações, Editorial Presença, 9,98 €) ou acompanham os jogos do clube da terra. Sinto-me um intruso quando vagueio pelos corredores vazios do nosso blog e interrompo a paz que se instalou neste mundo. Apenas as mulheres da limpeza me fazem companhia, enquanto esvaziam os caixotes de lixo com posts amarrotados.

O fim-de-semana é o tempo das necessárias futilidades e como o tempo convida a sonhos de Verão derretidos, resolvo contribuir para o vazio emocional, partilhando uma lista que encontrei numa caixa adolescente. Em 1993, eu elegia solenemente (seguindo a doutrina hornbiana) os meus 10 melhores discos de sempre:

Lou Reed - Transformer
The Stone Roses - The Stone Roses
Happy Mondays - Bummed
The Bulimic Orchestra - Siamese Outstandings
Ride - Going Blank Again
Monika Koencke - Having Dinner with Patti Hearst
The Smiths - The Queen is dead
Seymour Shout - Grey
The Sandals - Flip-Flop Dreams
Primal Scream - Screamadelica

Isto numa altura em que os Oasis apenas eram conhecidos na cena hooligan de Manchester. Um ano mais tarde lançaram um dos melhores discos da década. Mas isso é outra história.

Para finalizar, deixo no ar a frase do dia, para que todos tenhamos a possibilidade de avaliar as consequências que terá nos futuros comportamentos sexuais de uma inteira geração:

“Não transforme o seu namoro num confronto com um piercing.”
(Revista xis, 4 de Outubro de 2003)

Bonito.

REC

Os Mundos Paralelos 

Miguel de Cervantes Saavedra, filho de um pobre doutor Espanhol, nasceu provavelmente em 1547. Foi soldado, com 21 anos, em Itália, participou com bravura na batalha naval de Lepanto onde sofreu graves ferimentos na cara e na mão esquerda, que paralisou. Dizem ter feito parte de uma outra batalha ao largo dos Açores. Em 1575 foi capturado por piratas e mantido em cativeiro durante cinco anos como escravo (bem tratado) de um Grego em Algiers. Tentou três fugas infrutíferas sendo solto finalmente por um resgate pago pela família. Tentou a sua sorte como colector de impostos, novelista e poeta conhecendo o insucesso e a prisão três vezes até a publicação em 1605 da 1ª parte de um livro que o catapultou –muitos garantem- para o topo da lista dos melhores livros (só a Bíblia acima), melhor história de sempre e um dos maiores sucessos de vendas, sendo acima de tudo uma intemporal interpretação do inequívoco labirinto humano.
Falo, claro está, de D. Quixote de La Mancha, seu inefável escudeiro Sancho Panza, a onírica Dulcineia e todas as oblíquas peripécias deste infame sonhador, feito vortex de um mundo paralelo. Gigantes por moinhos, castelos por albergues, exércitos por carneiros compõem o mundo visionário deste cavaleiro andante, eterno endireitador do errado, justiceiro dos males inerentes à condição da espécie humana, condenada a existência dentro deste invólucro do corpo e da mente feito de geometrias do mal.
Leva-me o douto e mais brilhante sonhador de sempre ao assunto que neste momento me interessa aqui abordar, o universo criador enquanto dimensão de existência neste planeta.
Dizia-me um grande amigo e professor, Yehuda Safran, que o Homem está, ao mesmo tempo, destinado e condenado ao acto de criação, como estado de vida, como acomodação mental ao mundo de constantes mudanças físicas.
É precisamente este destino e esta condenação que algumas pessoas encetam como carreira, como proposição para uma vida, na música, na escrita, no cinema, na arquitectura. Hannah Arendt descreveu tudo isto num livro chamado A condição Humana, onde mapeou a vida de uma pessoa com aquilo que faz, atribuindo um sentido tão procurado e perdido hoje em dia ao acto de criar, mental ou manualmente um universo de coisas pessoais e geográfica/mente estabilizadoras da vida e do sossego, uma paz de espírito. Entre o Oleiro e o pintor, aquele que cria encontra o seu espaço neste mundo e realiza-se enquanto alma e enquanto parte viva temporal neste planeta.
Nuno Costa Santos fala-nos também destes universos, destas visões e desta geometria de encantos e desencantos no seu lindíssimo livro de estreia, Dez Regressos. Que ninguém entre neste Outono que espreita sem se deixar envolver nestes cuidados e delicados textos, como uma dança, feita entre a crueza do real e o infinito de um imaginário colectivo, intemporal e único de cada ser vivo. BR

POST DO PARAPEITO 

Caros amigos da blogosfera

É com muita tristeza que vos informo que o meu blogue noparapeito.blogspot.com tudo aponta ter sido alvo de um  intruso mal intencionado que violou o "template" , apagou a configuração do mesmo,  o que teve como consequência a perda de todos os textos e o evaporamento do blogue. O parapeito era um blogue de afectos e por isso este acto é para  para mim totalmente incompreensível . Serve este mail apenas para vos alertar para esta fragilidade do blogger e para vos pedir que guardem de outra forma os textos que produzem para que não os percam para sempre às mãos de um qualquer pirata cobarde. Infelizmente, parece que a blogosfera esta a ser invadida pelas espécies mais menores de habitantes descompensados , aqueles que definitivamente não entendem a beleza e complexidade do fenómeno , e que o temem por significar mais uma luz intensa de liberdade.


Obviamente, vou continuar a ler - vos com toda a atencão . Cumprimentos a todos,

Rita

A festa DC é na quinta-feira, dia 9! 

Todos os amigos do blog DESEJO CASAR ou apenas adeptos da instituição do Matrimónio estão, por este meio, convocados para a:

GRANDE FESTA "DESEJO CASAR"
Dia 9 de Outubro/5ª feira - no Madres de Goa, Lisboa (primeira à direita depois da Casa México, quem vem da Assembleia da República, junto do ISEG)

Depois do destaque que os blogs mereceram no "Público", "SIC-Notícias", "RTP", "NTV", "Antena 1", "Visão", "Focus", "DNa", "Boletim Paroquiano de Salvaterra", "Borda DÁgua - edição adultos", magazine "Le Nouvel Bloggeur" e no fanzine da "Liga Sado-Maso Portuguesa" chega, finalmente

A primeira festa de um weblog português!

Venha dançar, beber e conviver com os bloggers portugueses, os homens e mulheres, sobre a face da Terra, que mais vezes ouviram a frase:

"Ó filho, não foi pra isto que te paguei os estudos!"

A festa DESEJO CASAR inclui SHOTS com nomes de blogs nacionais, imagens VJ com blogs portugueses, um padre para casar pessoas no local e os DJs:

DJ Bórgia (LFB, Desejo Casar)
DJ Casado (NCS, Desejo Casar)
e os convidados:
DJ PASCP (Pedro Adão e Silva, País Relativo)
DJ Menino (João "Menino" que, valha-o Deus, não tem um blog!)

VENHA DIVERTIR-SE COM OS TIPOS QUE IRRITARAM PEDRO ROLO DUARTE, MEDEIROS FERREIRA, LÚCIA GUIMARÃES, EDUARDO PRADO COELHO, OS PATRÕES E A PRÓPRIA FAMÍLIA. DISCUTA O TAMANHO DO SEU SITE METER COM O BLOGGER DO LADO E TENTE O ENGATE A UMA MULHER DE CARNE E OSSO COM O JÁ CLÁSSICO:

"FAZES-ME UM BLOG?"

5/10 

os dias começam por ser dias:
por se chamar "dias"

depois são cores
depois amores

entram em casa e falam de nós
MR

This page is
powered by Blogger. Isn't yours?