<$BlogRSDUrl$>

domingo, maio 14, 2006

a música e a ironia - 31 

A música preferida do cego era "I'll be watching you", Police. LFB

frases ouvidas nas noites deste fim-de-semana - 2 

Conversa entre dois homens:

"- Tens saudades dela?
- Dela, não. Mas tenho saudades de nós". LFB

sábado, maio 13, 2006

Piadas sem punchline 

Hoje (ontem) quando ia para o trabalho, ao passar pelo jardim da Estrela às 7 e 45, estavam dois patos na pinocada. LCA

frases ouvidas nas noites deste fim-de-semana - 1 

Ele para ela:

"A primeira vez que te vi, não significaste nada. Como é que te tornaste tudo?". LFB

sexta-feira, maio 12, 2006

Coleccion de viages y expediciones a los campos de Buenos Aires y a las costas de Patagonia  

[post também publicado aqui]

«Dice que de Buenos Aires al Volcan habrá como 100 leguas. Que desde el Volcan, caminando por cerca de la costa del mar, hay como 100 leguas hasta el Rio Colorado, que en ese y en el de Sauce, que está como 30 leguas mas allá, y en su intermedio, habita la nacion Tehuelches, que tiene muy poca comunicacion con los cristianos, y que por aquella parte puebla esta nacion las orillas del mar. Que mas allá de él, habita notras muchas naciones hasta el Estrecho, no por la costa del mar, que estierra estéril, sino por tierra adentro, segun las noticias dadas por los Serranos, Aucaes y Tehuelches. Que los Pampas de Buenos Aires hicieron su poblacion á 43 leguas de esta ciudad, y tres leguas del Rio de la Plata, en que se juntaron 300 almas. Que fué dicho Padre al Volcan [1] en el año de 1747, y que empezó á formar un pueblo con el nombre de Nuestra Señora del Pilar del Volcan. Que en esta ocasion se comunicó con unos pocos Puelches del Rio delSauce, que estaban cazando yeguas baguales: que le pareció nacion mas bien dispuesta para el evangelio que los Serranos y Aucaes; y que unos yotros indios le habian dado muchas noticias del gran número de gente que habia entre los Rios Colorado y Sauce, y de los bosques y otras utilidades que allí habia, necesarias para fundar pueblos, y de que carecian los dos pueblos de Pampas y el Volcan.
[Nota 1: Volcan no es de fuego, sino una abertura de sierras que los indios en su idioma llaman Vuulcan.]

Que partió de Buenos Aires á mediado de Marzo de 1748, con un estudiante para ayudar á misa, y cuatro mozos que conducian las cargas, y que llegaron al pueblo de los Pampas, que se intitula la Concepcion. Que salieron de este pueblo á 17 de Abril: que no hallaron agua en 25 leguas por la mucha seca; y que cuando esta no es mucha, se halla encada jornada, de lagunas, que no hay arroyos hasta una jornada antes delas Sierras del Volcan. Que á 20 de Abril llegó al comenzado pueblo del Pilar, donde estaba el Padre Tomas Falkner [2] y el Padre Matias Strobel: que del pueblo de los Pampas á dicho Pilar hay cosa de 60 leguas; las 40 de solas campañas, sin árboles ni matorrales, y están pobladas de infinidad de yeguas silvestres, cimarronas ó baguales, como acá dicen: hay en ellasabundancia de venados, cerdos, avestruces, quirquinchos y perdices.
[Nota 2: Mr. Falkner, ingles, hizo mi relacion circunstanciada en Londres en 1774.]

Que del pueblo del Pilar llevó por guia é intérprete á dos infelicesS erranos por una considerable paga adelantada, y salió de dicho puebloen 6 de Mayo. Que se ponian de marcha á las diez, y sin parar á mediodia, se hacia alto antes de ponerse el sol, en parage de leña, aguay pasto, que no siempre le encontraban, caminando seis ó siete leguas cada dia. Que hasta el dia 9 se detuvieron por varios azares en el corto espaciode ocho leguas, que hay del pueblo al propio Volcan ó abertura, del cual salió el dia 10, rumbo casi á poniente, habiendo caminado en él ocho ó nueve leguas. El dia 11 salieron á medio dia, y á dos leguas de distancia encontraron un arroyo de tres palmos de hondura, y despues á poca distancia entresí, otros tres que estaban secos, luego otro de mas de tres palmos deagua. Que salieron de las cuestas enderezando algo hácia el mar, por verque los arroyos, á causa de la seca, no estaban tan crecidos como lo pensaban. Caminó cosa de tres leguas. El dia 12, á distancia de cuatro y media leguas del último arroyo, pasaron otro de poca agua; tres leguas mas adelante otro de dos pies de agua; una legua mas allá, otro de una vara de ancho con grandes barrancas de ocho y diez varas en alto, y hallaron vado con dificultad; cuatro leguas mas adelante otro mas hondo y de mas altas barrancas, donde hallaron vado, y caminaron cosa de nueve leguas. El dia 13, á dos leguas, pasaron un cerro algo alto; dos leguas mas adelante un arroyo de poca agua. Desde cerca de este arroyo escaseaba mucho el pasto y leña que hasta aquí era abundante: tres ó cuatro leguas mas adelante hicieron noche junto á un charco. Caminaron como siete leguas. El dia 14, caminando al SE por acercarse al mar, á dos leguas entraron sin pensar en una tierra sin pasto ni yerba, como campaña recien quemada, algo arenisca, y todo el dia fué de la misma calidad. Siguiendo el rumbo del S, por dar pronto con el mar, hallaron unas piedras menudas, entre las cuales algunas coloradas y otras blancas, muy duras y redondas; y algunas tenian al rededor una raya como canal y como para atar un cordel: los indios las llaman piedras del Diablo. En tan mala tierra hicieron noche, habiendo caminado como siete leguas. El 15, despues de haber caminado por aquella tierra pelada cosa de legua y media al S, llegaron á tierra de pasto, y luego á un pequeño arroyo, de donde se veian altos cerros de arena, que era la orilla del mar: habia cerca de ellos arenales, mucho pasto y mucha leña de los matorrales que llaman Margarita. Pararon tres dias para descansar las cabalgaduras. El 19 partieron del lugar antecedente, y á las dos leguas de distancia encontraron un mediano arroyo; y cosa de cinco leguas mas adelante hicieron noche. El 20, á tres leguas, pasaron un buen arroyo, y por él habia una abertura sin arenales hasta el mar como de 600 pasos, y los montones de arena no eran tan altos. Aquí se perdió el Padre, saliendo á buscar agua, leña y pasto. El dia 21 lo abandonaron el guia y el intérprete, y se resolvió hacer la vuelta por la playa del mar hasta el pueblo de los Pampas.»


Extracto ó resúmen del diario del Padre José Cardiel, en el viage quehizo desde Buenos Aires al Volcan, y de este siguiendo la costa Patagónica, hasta el Arroyo de la Ascension
Colección de viages y expediciónes à los campos de Buenos Aires y a las costas de Patagonia
Primera Edicion: Buenos Aires, 1837, Pedro de Angelis


Frase para qualquer desktop 

Toda a relação amorosa precisa de um agente provocador. NCS

a música e a ironia - 30 

O jovem e bem parecido milionário tinha dificuldades em explicar aos conhecidos o porquê de "Loser" (Beck) ser o seu tema musical preferido. LFB

a música e a ironia - 29 

A canção preferida do advogado especializado em divórcio e partilhas era "Creep", dos Radiohead. LFB

quinta-feira, maio 11, 2006

(Continuação) 


.
OS LIMITES DA IMPERFEIÇÃO
Uma novela-folhetim para os tempos correntes
.
[sai às quintas-feiras, mais ou menos]
.
.
I. APRESENTAÇÕES
.
.......Quem se abalance a tomar-me o braço ao longo de estes excursos necessariamente dará comigo alguns passeios, que eu me esforçarei por tornar ligeiros, e intercalados de pausas bastantes para merendar. Por tanto, a cortesia impõe-me que eu de antemão anuncie que nem sempre estaremos a sós - o leitor e eu.
.......Esta nossa novela não vive, como o leitor decerto compreenderá, sem umas historietas entretecidas, arroba e meia de personagens, umas colheradas de aquilo a que por vezes se chama o picante: e isso impõe-nos, bem vê, alguma companhia. Queira o leitor relevar-me a sobrepopulação destas linhas, em troca de eu o fazer meu confidente.
.......Competem-me as apresentações; mas não julgue o leitor que, trazendo-lhe eu ao conhecimento umas três ou quatro pessoas, lhes estou afiançando o carácter: é somente para que saiba com quem anda, nada mais. Permita-me, assim, que lhe faça presente, desde agora, a seguinte


Tábua de Personagens
acolitada por extractos dos respectivos registos civis
.
AMÉLIA
76 anos, solteira
Frequentou a boémia lisboeta dos anos 50; falhou uma carreira em S. Carlos, onde, segundo afirma, teria dado uma extraordinária Carmen; foi fadista amadora, e poetisa menor; e pouco mais; guardou muitos amigos, quase todos hoje falecidos. Apesar de entrada em anos, nada augura a sua própria morte, a qual contudo ocorrerá no transcurso desta novela.
*
JOSÉ
52 anos, espécie de viúvo
Poderia ter sido um excelente pintor, e talvez outras coisas. Cortou relações com a família há anos. Traz para casa, seis dias por semana, uma ou duas caixas tupperware abastecidas numa sopa dos pobres. A roupa que enverga raramente não traz nódoas.
*
MARGARIDA
30 anos, recém-casada com um engenheiro que conheceu on-line
Licenciada em germânicas, trabalha à hora para uma empresa de sondagens telefónicas.
*
PEDRO
32 anos, solteiro
Por ser como que o protagonista deste folhetim, dir-se-á somente que é a sua imperfeição aquela a que se faz alusão no título; sem que isto deva fazer dele, perfeitamente, um homem sem qualidades.
.
.......Esta incoativa relação de gente, assim apresentada, perfuma uma essência dramatúrgica, que não foi despropositada; mas, como o leitor pôde observar, não há por aqui vaqueiros nem aias da Rainha. Os sucessos documentados nesta novela não tomam lugar no paço, mas principalmente nas ruas da alta e da baixa de Lisboa. Lembra-me agora que o Nemésio, com medo de que os leitores pudessem perder-se no meio de tanta canzoada, também se viu obrigado a manufacturar uma lista dos circunstantes no seu Mau Tempo no Canal. Esteja todavia descansado o leitor, e venha sem medo, que nesta novela não corre semelhante risco de perdição. Se o leitor não frequentou o Nemésio, pois vá lê-lo, e vai bem: mas quando lhe chegar às portas da poesia, dispense-se de mais avanços e torne aqui ao folhetim: sacrifício por sacrifício, este sempre lhe há-de pesar menos.
.......A nossa Tábua ordenou-se alfabeticamente, para não melindrar alguém. Todavia esta história inicia-se com José, no final de uma manhã de Março: como é seu uso quotidiano, José percorre, caminhando, os três quarteirões que distanciam a sua casa do centro de ajuda alimentar de onde diariamente recebe o almoço, e que é uma variante moderna da sopa dos pobres. Diariamente, não digo bem: às terças-feiras, José não chega a entrar. Os homens guiam-se por razões que, por vezes, sobrepujam o clamor da fome, e é este um desses casos. As terças-feiras passa-as José sem outro nutrimento que não o de uns copos de água açucarada, quando não sobeja algo da comida da véspera: e todavia é nesses dias que o costumeiro caminho é vencido com mais alvoroço. O leitor já adivinha que se ficam devendo à mesma causa a fome e o desassossego.
.......Hoje é terça-feira, exactamente. O passo de José, não sendo lento, não chega a ser correria. Acompanhá-lo-emos, pois, sem canseira - eu com José, e o leitor connosco.
.
(continua)

Da ambição 

Não há maior ambicioso do que aquele que não quer ser nada na vida. NCS

na casa dos vizinhos: sintomas primaveris 

Há cerca de uma semana, os vizinhos de baixo começaram a ouvir repetidas vezes «Let's pretend we're bunny rabbits», dos Magnetic Fields.

(...)
Let's pretend we're bunny rabbits
Let's do it all day long
Let abbots, Babbitts and Cabots
Say Mother Nature's wrong
And when we've had a couple'a'beers
We'll put on bunny suits
I long to nibble your ears
And do as bunnies do

Let's pretend we're bunny rabbits
Let's do it all day long
Rapidly becoming rabid
Singing little rabbit songs
I can keep it up all night
I can keep it up all day
Let's pretend we're bunny rabbits
Until we pass away

IFS

Claro como água 

[Publicado originalmente aqui]
«O Governo deve ter a coragem de não aprovar o aunciado investimento do empresário Patrick Monteiro de Barros na construção de uma nova refinaria em Sines.
Na verdade, embora não tenha ainda saído do papel, o que está já à vista é que entre o que foi aunuciado no início e o que se pretende agora há já uma enorme distância, que vai penalizar os contribuintes portugueses, quer directamente, através de mais ajudas para o projecto, quer indirectamente, através de impostos que teremos de pagar para compensar o aumento de emissão de CO2 do futuro projecto.
As diferenças são de monta. Antes, previa-se um investimento de ?4.000 milhões com um incentivo estatal de ?900 milhões; agora, os valores são de ?6.000 milhões e os apoios públicos sobem para ?1.200 milhões. Antes, as emissões de CO2 atingiam 2,5 milhões de toneladas anuais; agora, chega-se aos 6 milhões, dos quais 3,5 milhões virão de uma central de co-geração a construir; e, "last but not the least", antes, as exportações previstas, que justificavam em grande parte o projecto, ascendiam a 1.500 milhões, quase a totalidade da produção; agora, reduzem-se a 750 milhões, sendo mais de metade da produção canalizada para o mercado interno, em concorrência directa com a Galp, que prevê também um investimento de mil milhões para aumentar em 25% a sua capacidade de refinação em Sines.»
Nicolau Santos no caderno de Economia do jornal Expresso de 6 de Maio de 2006

num bairro de Lisboa: sintomas primaveris 

Perto do Jardim da Estrela, as miúdas do Pedro Nunes passeiam-se de umbigos à mostra e T-shirts justas. Os seguranças do João de Deus e da Embaixada de Inglaterra babam-se e incumprem deveres, satisfeitos. Depois da invenção do iPOD deixei de ouvir o que eles dizem às miúdas do Pedro Nunes, aos umbigos e às T-shirts justas, mas continuei a perceber como se dirigem à única miúda que nunca entra no Extra, onde os miúdos do Pedro Nunes, amigos das miúdas, dos umbigos e das T-shirts, fumam cigarros e compram fatias de pizza. Passam por ela «como sumo de toranja/por um passador roto», como se diz num poema da Adília Lopes.

IFS

A história devida 

A HISTÓRIA DEVIDA já tem blog e, em breve, estará disponível em podcast.

www.ahistoriadevida.blogspot.com

«A história devida» é um programa diário da RDP (Antena 1, 17h20/21h40/01h20), coordenado por mim e apresentado pelo Miguel Guilherme e pelo Nuno Artur Silva, que se baseia num conceito posto em prática por Paul Auster nos Estados Unidos da América. A ideia passa por pedir aos ouvintes da RDP que enviem as suas próprias histórias para que o Miguel Guilherme as leia em antena.
«A história devida» depende, assim, da participação dos ouvintes, já que o programa é praticamente «feito» por eles: são eles que partilham as suas histórias, limitando-nos nós (eu, o Miguel, o Nuno Artur e o António Santos, que é o nosso produtor na Antena 1) a levá-las até às pessoas.
Regras, há só duas: as histórias têm que ser curtas e têm que ser reais, e a sua selecção depende não de critérios literários, mas do mérito e da humanidade das mesmas. «A história devida» não é nem um concurso nem uma competição. Ninguém anda à procura dos novos talentos da ficção portuguesa. O que verdadeiramente importa é que as histórias enviadas sejam histórias de vida, da vida dos ouvintes.
Quanto ao mais, não há restrições de conteúdo nem de forma. As histórias podem ser episódios cómicos, tristes ou brutais; gaffes hilariantes ou mágoas profundas; pequenos ou grandes dramas; coincidências bizarras ou inesperadas; sonhos, pesadelos, pressentimentos, intuições ou premonições. Podem ser sobre a velhice ou sobre a infância, sobre a amizade, o ódio ou o amor; e podem ter a forma de poemas, diálogos, narrativas ou pequenos relatos. Podem ser escritas num estilo seco ou elegante, irónico ou sincero? Enfim, a lista de possibilidades é infinita.
A única certeza é que toda a gente tem uma história para contar.
Enviem as vossas para PRODUÇÕES FICTÍCIAS TRAVESSA DA FÁBRICA DOS PENTES, 27, R/C 1250-105 LISBOA ou para historiadevida@rdp.pt

IFS

Bliss 

Subitamente o calor chegou. Larguei o meu Aquascutum e as luvas no armário, freshly green and blossoming uma árvore roubou-me a vista para a Square, o jardim do pub lotou, partilhei o banco frente à Royal Academy of Arts enquanto almoçava um take-away japonês, nos passeios congestionados desviei-me de gente com copo na mão, nas salas da British Library, meias desertas, o sol triunfou sobre as exíguas janelas, no pátio os estudantes esquecidos dos pc?s e aquecidos pelos eflúvios do sol e não só, emparelharam na cidade da Europa menos dada ao flirt.

O meu marido chegou a casa um pouco mais tarde do que o habitual, deu-me um beijo a saber a umas quantas pints, leu o meu post with a funny accent, não entendeu uma linha. Na dvd shop do nosso bairro, o irishman vestido a cowboy greeted us: hi there you are, my first clients!

Sol.Quanto mais agreste a cidade mais se suaviza com esta benção. O meu corpo e cabeça dão-se enfim tréguas. Nos dias de inverno páro diante dos lugares da cidade pequena que vai ficando para trás, esses lugares retêm o poder e o fascínio de memórias golpeadas pelo tempo, pelo espaço, por uma dupla separação e distância, que sou sem eles? E a certeza: sou, sem eles também. Páro diante dos lugares de uma cidade anónima, sem lugares poderosos, rasos de todas as memórias, como uma casa vazia, vasta que liberta e que oprime.
Nos dias de sol um canal parece possível a ligar os lugares mais adormecidos nessa ponta que aos poucos se desfaz e a ponta que os sonhos tentam a custo habitar. Uma ponte entre a língua em que este post me sai em solavancos e os sons infamiliares que circulam à minha volta, de uma língua na qual gatinho.
Oh dear, Life doesn?t get any better than this (indeed, the next day clouds appeared and it started to rain. What a boring sentence).

Clara


quarta-feira, maio 10, 2006

inveja do Seymour Hoffman 




Parece um autocarro, mas tem um Óscar. É um elefante, mas é um dos mais refinados actores da actualidade. Eu apenas pareço um autocarro-elefante. Porque é que só nos parecemos com os nossos ídolos precisamente naquilo que não fez deles os nossos ídolos? TR

Espelho meu, espelho meu 

«(...) não deixa de fazer impressão esta facilidade que o futebol tem de despertar o que há de pior em cada um.»
Miguel Sousa Tavares no jornal A Bola de 9 de Maio de 2006

a música e a ironia - 28 

A canção preferida do co-piloto era "Road to nowhere", de David Byrne. LFB

a música e a ironia - 27 

O funcionário público detestava "Yeah! Oh, yeah!", dos Magnetic Fields. LFB

terça-feira, maio 09, 2006

inveja da minha filha Beatriz 



... que, ao contrário de mim, tem talento para pintar.

NOTA: Bem sei que os vossos olhos cépticos só apreendem nesta imagem uma série de gatafunhos feitos a computador por uma criança de 4 anos que ainda nem sequer sabe enunciar a ordem dos meses do ano (a Beatriz defende convictamente que Outubro é na Primavera, ao que eu respondo que todos os meses deviam ser na Primavera). Mas nesta imagem que o vosso intelecto maltrata, eu vejo arte e um banquete para os meus sentidos. E digo-vos que uma boa parte da missão de ser pai é ver transcendência e genialidade onde o resto do mundo apenas vê ranhoca e uma criança banal. Não é ilusão. É algo muito mais perigoso. É amor. TR

segunda-feira, maio 08, 2006

Dive for your memory 




Grant McLennan (12 de Fevereiro de 1958 - 6 de Maio de 2006)

NCS

cantinho do casado V 

- Já viste? É aquela
- Ah! Pois é!
- Lembras-te dela?
- Então não me lembro? Era bem bonita há vinte quilos atrás!

RMD

Romance 

O romance é o casamento do escritor. Há escritores que casam cedo de mais - ainda sem maturidade para o embate. Outros há que casam tarde, depois de uma vida de continhos e novelas, e que, a partir daí, não querem outra coisa.

NCS

O lado Desejo Casar/Correio da Manhã da Spectator 

"Women Seeking Men

Attractive Writer, Oxford graduate, 39, seeks gentleman of intellect, culture and traditional values, must be kind, interested in politics and soundly right wing. London and SE. Call me now on 0906 644 6844 Voicebox 63672"


The Love Bug, Spectator de 29 de Abril de 2006

NCS

This page is
powered by Blogger. Isn't yours?